sexta-feira, 28 de julho de 2017

A base de tudo


Há alturas que é importante dar um passo atrás para dar dois para a frente.
Que temos de fechar gavetas para experimentar abrir outras.
O amor que tenho à minha família traduz-se, cada vez mais, na vontade de me agarrar à vida.
De me sentir viva.
De conhecer.
De ME conhecer.
De experimentar e desafiar.
É nessa fase que estou.
De ir.
De fazer.
De me atrever.
De crescer.
De construir.
Cuido e estimo desta minha família todos os minutos. Desde o primeiro segundo.
Dedico-me.
Entrego-me.
Curto cada um deles.
Agora são eles que me estão a empurrar a mim.
A dar força.
Coragem.
Segurança.
Fazem-se sentir uma rocha nos dias em que me sinto uma areia fácil de varrer.
O amor é a base de tudo.
Vou-me atirar de cabeça à vida mas sempre fazendo do amor as minhas braçadeiras.

sexta-feira, 7 de julho de 2017

SORTE


Não existe melhor luz do que a de um amor.
Seja ele qual for.
Basta que nos puxe.
Nos alegre.
Nos faça andar devagar.
E nos dê uma vontade enorme de permanecer.
Cuidar dos três filhos, de um casamento, gerir tempo entre trabalho, família e amigos não é MESMO pêra doce.
Mas ao mesmo tempo que acúmulo MUITO cansaço às costas aprofundo a certeza que amar assim é a maior SORTE do mundo.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

PERTENÇA


Sou pela bondade e generosidade.
Acredito que o tempo que dedicamos aos outros se reflete MESMO na qualidade das nossas relações.
O tempo é um luxo. Não se agarra. Não se repete. Não volta atrás. Não se compra. Não se rala.
Quando me perguntam quais os meus planos...
Não tenho resposta. Não tenho planos. Não tenho grandes ambições nem muitos medos.
A única coisa que sei é que o melhor lugar já é meu: a pertença.
E se demorei a descobrir, a dar valor, a sentir, agora já sou ando à boleia dela.
E entrego-me inteira.
De forma honesta.
Não guardo nada em gavetas.
Nem emoções. Nem fragilidades.
Está tudo aqui. À luz. Ao toque.
No amor que sinto, que dou e demonstro.
Nos abraços. No acordar. No estar. No sentir. No adormecer. No aconchego. Na sinceridade com que amo. Na transparência com que partilho.
O meu maior investimento na vida: é na unidade. 
[Aos meus <3]

sexta-feira, 23 de junho de 2017

SIM

Levei anos a chegar a mim própria. 
A perceber que a vida se faz.
Que a nossa casa é quem amamos. 
Trabalho todos os dias a nossa felicidade.
Sou muito grata por ser vossa mãe.
Vou dar sempre o melhor de mim no que toca a encher as nossas almas de sonhos e experiências. 
De partilha.
Sou a mãe tranquila. 
A primeira a meter o pé na poça.
Somos parte do mesmo todo.
Educar é um osso duro de roer. 
Temos dias maus. 
Há momentos em que só este amor tão profundo me resgata.
Mas somos família.
Com tudo a que temos direito.
Quando me perguntam se sinto mesmo felicidade todos os dias, a minha resposta é um grande SIM!!!
(Faço-me a ela!!!)

(Fotografias na Terra do Sempre)











quarta-feira, 31 de maio de 2017

Prometo não me render



Quando o Salvador tinha três anos adormecíamos juntos - não mudou muito até hoje.
Numa dessas noites, esticou os braços no ar e pediu-me que "mexesse no céu" com ele.
(Eu fiquei de braços esticados a mexer no vazio. Ele mexeu no céu, nas estrelas e em tudo o que estava a acreditar).
Quero ser SEMPRE a carrinha de caixa aberta que transporta estes três miúdos. Sem barreiras.
Todos os dias descubro cada um dos meus filhos - e a mim própria.
Rendi-me no primeiro segundo à maternidade.
Na carrinha não coube o medo só o depósito cheio de amor.
Trago este presente da vida ao colo e desembrulho - TODOS OS DIAS - com muito cuidado para não rasgar o papel.
É o melhor de tudo.
Não existem sussurros na minha forma de amar.
Só sei sentir em voz alta.
A infância é um momento especial.
Tão importante. E passa rápido - tão rápido.
A minha missão é encher estes corações de amor e construir diariamente uma história feliz- a nossa.
Acreditar nas coisas boas e agradecer.
Amar.
Relativizar.
Respirar.
Sonhar.
O segredo está na entrega...
Mesmo nos dias em que o papel do embrulho se rasgar prometo não me render.

(Meus amores)





quinta-feira, 18 de maio de 2017

Para os meus filhos

Descalcem-se mas vistam-se de generosidade e curiosidade.
Sempre que possível libertem-se da velocidade que só consome.
Não interessa a cor da areia se não tiverem tempo de enterrar os pés. 
De sentir.
Abram portas e demorem-se nas varandas - apreciem a vista.
A alma alimenta-se de sensações.
De experiências.
Das emoções.
Não há caminho tão rico como esse.
Procurem que são.
Vejam o mundo de dentro para fora.
Somem e simplifiquem.
A vida precisa de disponibilidade.
O amor de descontração.
Não há maneira de evitar as angústias mas no abraço de quem amam vão encontrar a tranquilidade que procuram.
Escolham bem as sementes e reguem todos os dias as vossas plantas. 
Lembrem-se como a luz é fundamental e tudo se resume a uma palavra: CUIDAR.
Cuidem de vocês e dos outros. 
Da vossa terra - as folhas caem

(Eu sou alegria, amor e gratidão - resultado da vossa soma...)

A Maria estava a dormir mesmo ao nosso lado :)

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Pequenas coisas

Há um livro maravilhoso chamado "O Deus Das Pequenas Coisas".
Eu sinto-me mãe das pequenas coisas.
São elas que dão sentido ao meu dia a dia.
Os banhos, os desenhos, a partilha, os abraços.
Não sei bem como faço mas aos olhos deles parece fácil.
O Vicente [4 anos] repetiu-me trinta vezes de manhã que quer ser pai quando crescer:
-"Quero ser assim como tu. Cuidar de pessoas pequeninas...".
Na responsabilidade de educar não há filtros que nos possam ajudar. 
É preciso tirar os olhos da câmara porque não há lente que veja tão bem como o coração de mãe.
A nossa vida tem tanto de "caótica" como de espetacular mas foco-me no melhor dela.
No melhor de mim.
No melhor deles. 
Aos vinte cinco tinha um filho aos trinta tinha três.
A segurança com que damos colo aos desesperos tem sido positivo no crescimento da nossa família. 
Sou a transparência em pessoa - às vezes até me é prejudicial. 
Mas só posso ensinar a entrega se me entregar.
Tento ser o equilíbrio e equilibrada na atenção a cada um - e a mim própria. 
Somos muitos. Muitas personalidades. Muitas agendas.
Encho diariamente o depósito desta casa de alegria, coragem, amor, proteção, companheirismo, honestidade, confiança e MUITA COMUNICAÇÃO.
O "vamos andando" não nos serve. 
O amor não "vai andando". 
Vai-se depositando e multiplicando. 
Temos as nossas regras de acordo com os nossos horários, disponibilidades e possibilidades.
A vida é feita das nossas intenções e não das expetativas dos outros.
De escolhas que nos fazem feliz.
É muito bom sentir que me estou a sair razoavelmente como mãe, apesar de todos os contratempos.
Que os meus filhos até me querem "seguir as pisadas"!!!