sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Extras


Tantas saudades de escrever...
O que eu gosto mesmo desta vida é os extras que ela nos dá.
Os dias de sol demorados em família e com amigos.
Os planos, os sonhos, a leveza.
A generosidade desses dias é incrível porque nos permite desligar da velocidade que nos consome.
Gostava que fosse essa a minha morada permanente.
Os meus dias têm sido agitados.
Sou intensa e enérgica mas não sou dada a grandes combates.
Nunca fiz planos nem tracei objetivos. Não sou dada a isso.
Sei o que quero para mim.
Antes de adormecer tenho-me prolongado nesse meu momento tranquilo.
De estar em paz.
Sentir os meus filhos. Bochecha com bochecha.
Marido em casa.
Levamos algum tempo a perceber que maior riqueza é esta.
Dou-lhes tantos beijos e abraços a todos.
Tenho os filhos doentes e a casa virada do avesso.
Tenho encontros em falta e conversas para meter em dia.
Vou estar sozinha com eles durante uma semana.
Tenho feito alguns negócios com calma e consistência.
Quando só vejo caos e cansaço fecho os olhos e lembro-me dos fins de semana que já reservei para passar da intenção à acção.
Para me demorar com eles no extra da vida.

No final de tudo só tenho que agradecer...

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Ponto da situação


Ando numa fase mais acelerada. 
Tenho trabalhado a um ritmo que não me permite ter a roupa dobrada e arrumada nas gavetas.
Não tenho tido tempo de beber um café, jantar com amigas, nem ver o pôr do sol - que tanta falta me faz.
Esforço-me para ir ao ginásio - faz-me tão bem!!! (como tem babysitting às vezes levo os três).
Os miúdos estiveram doentes. 
Quando vou fazer o jantar falta-me sempre alguma coisa.
Na hora de dormir enfio todos na minha cama.
E devo ter as sobrancelhas por fazer há um mês :).
Estou numa fase exigente.
Muito trabalho fora e dentro de casa.
Ainda estamos todos a tentar encaixar este meu ritmo na nossa logística familiar.
Mas estou aqui quando eles acordam e saem da escola. 
Essa parte sou eu, é minha, são MEUS!!!
Estamos cheios de SONHOS e projetos a cinco - e por isso estou com tanta força.
Sinto-me fortalecida e e com vontade de aproveitar ainda melhor  a vida.
Usufruir. 
Queremos MUITO ir, passear, sair, conhecer.
Encontrei estas palavras que escrevi - e que independentemente da fase em que estou são sempre verdade:
Quase durmo de olhos abertos de tão grata que sou.
Por estes filhos, por esta família a quem entrego tudo.
Ando sempre a reboque dos meus impulsos e deste amor.
Sou emocional, acelerada, inquieta e transparente.
Esta minha maneira faz-me sentir viva.
A agitação vence a preguiça - faz acontecer.
Tenho esperança que este espírito curioso fique gravado na alma dos meus filhos.
Mas que o ritmo deles seja menos veloz - sou mesmo muito inquieta.
É nisso que trabalho todos os dias.
Quando os acordo com beijos e alegria.
Quando os adormeço no meu abraço calmo.
Quando lhes digo, que são o melhor de mim, de nós - são o tudo e o todo.

O meu marido vai estar uns dias fora - por isso é mesmo BOM que me ORGANIZE!!!.
Sou um poço de energia mas estou a precisar de dedicar uma semana à organização doméstica. Outra semana à recuperação do sono. E outra semana a namorar.
Namorar vou já no próximo fim-de-semana a roupa logo se vê, o sono é um caso perdido!!!.

Bom fim-de-semana pessoas queridas :)




sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Últimos dias do ano

O que me apaixona nestas últimas semanas do ano é a serenidade.
O balanço que fazemos e as metas que traçamos.
É a desforra.
É o recolher dos pássaros ao ninho. A nossa casa - nós.
Há os jantares, as ceias, as birras, a desordem, o conforto.
Os miúdos em casa, não há trabalhos de casa nem obrigações.
Não subtraímos nada, só somamos e dividimos.
Partilhamos o acordar e estamos juntos no adormecer - com calma.
É uma altura para nos alinharmos.
Os miúdos estão com idades maravilhosas (2 - 5 - 7).
Cá em casa não há muitas tradições, nem regras.
Há uma que ADORO: o Pai Natal aparece na noite de 23 para 24 e é de SONHO!!!
Há um deixa acontecer e uma liberdade com responsabilidade boa.
Não há exageros nem desperdícios.
Há uma procura de equilíbrio - nas relações e em tudo o resto.
Há uma porta aberta.
Há sempre pessoas a chegar.
Melhores amigos a dormir.
Irmãos a acampar.
O 2017 foi cheio de emoções.
Foi um ano de desapego e libertações.
Fui ao Rio de Janeiro e aos Açores - bom mas bommmm.
Acampámos os cinco e com amigos.
Descobrimos lugares incríveis, conhecemos pessoas, adormecemos no alentejo depois de uma chuva de estrelas, festejámos a vida e os aniversários com imensa alegria.
Dissemos, vezes sem conta, a quem amamos como são importantes para nós.
Despedi-me de um trabalho em que estava efectiva, para um projecto em que estou por minha conta e risco.
Comecei a ir ao ginásio - não fazia desporto nenhum desde mil novecentos e troca o passo - e já não me consigo imaginar sem ele!!!
O Salvador descobriu o surf que adora (acompanho algumas vezes - mas coitada de mim - faço surf de joelhos!!!) e vive para o futebol!!!.
O Vicente e a Maria são uma espécie de almas gémeas e o melhor presente que lhes podia ter dado!!!
Em 2017 voltei a dormir e a tratar de mim.
Digo muitas vezes aos miúdos que a vida é uma constante escolha.
Todas as escolhas têm consequências.
Não há ganho sem perda.
Nem evolução sem lição.
Existem sempre momentos menos bons, mas todos os segundos são preciosos e devem ser tratados com o devido cuidado.
Vamos trabalhar para que os nossos sonhos cheguem a reboque de uma autocaravana.
Que 2018 seja sobre rodas:)

FELIZ 2018 pessoas queridas :)

Natal 2017

Terra do Sempre no Alentejo foi espetacular

A nossa tenda é a nossa segunda casa

Rio de Janeiroooooooooo

O nosso hotel 

Miúdos 

Açores - que paixão

Salvador - o surfista

Eu & eles 
Maridão no Rioooooo

Nósssss

Celebrámos todos os aniversários com MUITA FESTA 



















sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Aos começos


A meio do verão deste ano mudei a minha vida profissional.
Isso implicou uma mudança para todos cá de casa. 
Decidi sem pré-aviso - nem para mim própria.
Precisava de rotina.
Com um, dois e três filhos sempre trabalhei por turnos - e o meu marido também.
Às tantas é de loucos. Ou era a casa que estava sempre de "pantanas" ou eram os miúdos ou nós!!!.
Temos alguma estrutura que me permitiu mudar.
Não dei o "Grito do Ipiranga" porque sempre fui feliz nos lugares por onde passei e com as pessoas que me cruzei.
Sou a descontração em pessoa. Isso não significa irresponsabilidade - muito pelo contrário.
É sempre duro.
Tenho este espírito livre, que me faz procurar conhecer-me. Conhecer e arriscar.
Pelos meus e por mim.
Temos uma vida simples. Uma tenda que nos permite ver o pôr do sol onde queremos com quem nos faz bem. 
Somos todos muito parecidos nesta maneira tranquila de levar a vida. No querer estar juntos. Respiramos família.
Se nos querem ver felizes convidem-nos para um churrasco - daqueles que se deixam os chinelos à porta. 
Ando ainda cheia de medo, pequenina, a tentar construir o meu lugar ao sol. 
Sinceramente nem sei quem é mais corajoso - se quem arrisca, se quem fica...
Eu tive oportunidade de escolher assim. Espero o melhor de mim e do que está para vir.
Uma coisa é certa as experiências permitem-nos conhecer todos os cantos e recantos de nós.



segunda-feira, 13 de novembro de 2017

King size

A dormir é mais fácil apanhar os três, caso contrário a energia é tanta que a fotografia fica desfocada ;)))

O que mais me apaixona na vida são as pessoas.
As minhas e as que generosamente me vão dando lugar na vida delas.
Estou rodeada de gente boa.
Tento passar aos meus filhos que a riqueza maior é a capacidade de amar. De dar. Da entrega.
Não há presente melhor do que a união.
Gostamos muito de receber e ter a casa cheia (nós os cinco já enchemos metade!!! :))
Se é para viver que seja em pleno. Rodeados de gente do bem.
Faz parte de mim fazer parecer as coisas mais simples do que são.
É a atitude com que olho para o que a vida me dá - com gratidão.
Tenho o meu cansaço, as minhas fragilidades, os meus momentos, a minha tristeza.
Nada nos é dado nada de mão beijada.
Mas não nos falta absolutamente NADA. 
Os miúdos pedem-me um sofá e uma cama maior. Ainda vão descobrir que nada tem mais valor que o nosso abraço King size sempre que vamos dormir.
(Boa semana)

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

FILHOS

A única vida que eu quero é ao vosso lado.
Vocês são três vidas. 
Três filhos - três irmãos.
Passam do namoro para o arraial num abrir e fechar de olhos.
É no meio do caos e das camas improvisadas que fazem no chão que cresce a vossa cumplicidade.
Hoje é sexta-feira não preciso de amolecer o vosso feitio.
Em todo o caso tenho um bolo de banana no forno. 
Atropelam-se pela minha atenção e pelo meu colo. 
Nos concursos em que sou jurada - empatam todos - e ficam os três a chorar porque nenhum ganhou. 
Mas na hora de dormir ajustam os vossos temperamentos num abraço. 
Acordo SEMPRE entusiasmada porque estamos todos - isso garante-me um dia novo convosco.
Traga ele o que trouxer - estamos juntos.
É a maior riqueza.
E a nós vamos juntando outras pessoas que garantem o nosso equilíbrio, a nossa harmonia, a nossa paz.
Ninguém disse que era fácil. 
Mas é tão bom.
O amor é uma boa base para uma vida feliz.

(Bom fim-de-semana)























quinta-feira, 26 de outubro de 2017

M.U.D.A.R

Os MEUS trinta e três anos prometem.
Nos últimos anos andei muito embalada e envolvida pela maternidade.
Um ritmo delicioso e às vezes violento - também.
Mas é um cansaço bom.
TÃO BOM que tive três filhos num curto espaço de tempo - e teria mais se a vida me permitisse.
Tenho amigos deliciosos que me "raptam" os miúdos e os meus sogros são o nosso equilíbrio.
Mas no dia a dia SOU EU e tenho um prazer enorme nisso.
Acho sempre pouco o tempo que estou com quem amo. 
Sou das pessoas que escolho e me escolhem. 
Sou cada vez mais adepta da vida simples. 
Sou de uma entrega ENORME às minhas pessoas, e pelo contrário não me consigo prender em lugar nenhum.
Preciso de mudanças. De arriscar. De conhecer. Começar de novo. De me dar oportunidade. Preciso sempre de me perder para me voltar a encontrar.
A única rotina pela qual sou apaixonada é aquela, em que todas as noites, encosto os meus ombros aos dos meus filhos. E estamos. Ficamos. Embrulhados, enroscados até adormecer.
Este ano promete porque é de mudança (profissional).
Quando mudo passo sempre por uma "travessia no deserto" - dura mas necessária porque me obriga a olhar para mim. 
Preciso de me encorajar.
Sou eu comigo mesma. A cair e levantar.
A perceber se consigo. Até onde consigo. O que quero. O que preciso.
O mais difícil é perceber quando devemos tentar de novo ou voltar para trás.
Este ano é para me voltar a conhecer enquanto mulher.
(Embora, tendo essa possibilidade e sendo muito GRATA por isso, eu garanta sempre aos meus filhos o beijo da manhã, o caos da tarde e o aconchego da noite).
Levo este desafio como levo a minha vida: solta, cheia de esperança e com o suporte dos MEUS.
Que comecem os TRINTA E TRÊS!!!

(Obrigada a todos por me acompanharem, aos meus amigos que são um SONHO e ao meu marido que é o melhor e maior companheiro DA VIDA!!!) :)